Wednesday, January 30, 2013

Wednesday, August 29, 2012

feel good hypnosis



Baleia's attempt at the Feel Good Hypnosis Blah Blah Blah Camp.

Thursday, August 02, 2012

baleia's choice



If you are feeling sad, unmotivated, and hopeless in your daily life. If you are desperate and searching for help, look no further! Baleia shows you how you can find contentment within your true self.

Friday, August 13, 2010

mute yourself



if you mute yourself
it will probably be good for you
as you can see
nobody will ever
be aware about the stuff inside your head
and you suddenly will be seen as someone
who thinks a lot
all the time

Monday, March 15, 2010

you are a dog



you can tell me what to do
you can say I am wrong
you can sing yourself a song
but no one will ever know
but no one will ever know
you are a dog

Thursday, December 10, 2009

Alguns Numeros



Alguns Numeros

O Sete chegou atrasado
Enquanto o Oito ja' havia comido biscoito
Tomado leitinho
E deitado na caminha
Transformando-se no simbolo do infinito

Sim, os numeros
Voce sabe
Tem tanta personalidade

Saturday, March 01, 2008

lanternagem

quem é que nunca apontou com o dedo anular? belina esquiva nunca. e por esse mesmo motivo, perguntava se sim. pedúnculos avacalhados certa vez num festejo de sumiço de um vindouro roboblasto verificaram ser bastante possível o espalhamento de organelas difusas que nem fossem dedinhos de pezinhos mil. fazendo maravilhas na múltipla indicação. mas cada dois deles se viam intrigados de mais. e demais para retornar à velha pergunta se sim. foi deste modo que tudo se resolveu num único sentido transgresso.

Monday, December 17, 2007

a nova ova

então foi que sismus chegou atabalhoado à abóbada abobalhada. nunca imaginara que dentro daquela poça, justo ali naquela poça, jazia um nhoco-nhoco milimolecularmente forbidden pela mesmíssima insanidade que o fizera parte desta sarussamurana toda louca que havíamos degostado. e então um crack na crassapaça o fez pinotear para a imobilidade sem noção no exato seguinte porto molecular de imbróglios vivos com abinhas gosmentas salicílicas. prosseguia continuar pois. mesmo com toda a sua profiterólia, inocentemente hipoderia contrair não só muscululo como disease de melancolia-colia. o segredo era não cambiar nunca o sentido, como quando se escreve algo de qualquer e sem maneiras.

Tuesday, February 13, 2007

os disfuncionários empreendem-lhes um pânico

os furlanos obtusos nunca partiram uma cara. mas como. os furlanos obtusos são seres especializados tanto em partição quanto em tomar da casualidade quaisquer manifestações dirigidas ou não a eles próprios. levaremos o caso ao nosso chefe rolocompressor e, em atendimento aos aforamentos, eles serão pastelarizados. a pastelarização não é conduta que se enquadre em qualquer espécie de conduta, a pastelarização. pastelarização formalmente transborda algo indigesto em coisa que valha um penie a meter na caçapa, coisa de superação por excelência adorável, seja bem na categoria dos adoradores gustativos autômatos, uniformizados para melhor surpreender a arrogância dos desleixados, tal comportamento deve ser cumprido até o banimento ao passar pelo aparelho digestório, nossa mais potente engrenagem purificadora de equívocos. tudo para defender uma adequação aos princípios primorosos que caracterizam determinada natureza, a eficiência.

Wednesday, January 31, 2007

a burrice é dos outros

o fenomenólogo maldrogado disse que depressão é uma espécie de burrice que dá na gente.
acerto a sua cara agora mesmo, respondeu-lhe o mofino-lastimoso - com certa sutileza em vista do teor agressivo de sua palavras.
é mesmo visível como as pessoas não aceitam de bom grado críticas no quesito inteligência.
a burrice é dos outros, preferem abonar.
a própria baleia que vos invoca, por certo não cansa de emprestar ao universo impressionista seus sinais de bruteza intelectual quando atola na lagoa porque passou do ponto, abana a barbatana no intuito de fatiar moscas ao vento e rola de rir em vista de um estabaco alheio.

Monday, December 25, 2006

memórias de um ano fabuloso

inicio esclarecendo que para o caimento deste singelo relato pedi que o meu caderno fosse cor Primeiro Mijo da Manhã.
mas tudo o que me restou foi um cor de rosácea de suvaco amoroso, coisa que costuma ir de encontro à negativa da negativa de um senso prático.

mas sim: neste ano que se encerra houve bastantes episódios dignos de serem postos em conserva de registro, com o obséquio da palavra foda, que perdeu o ph de philosofia lá pelos idos por pirambeira abaixo pelo cacete de certos modernólogos moderninhos.
pois bem que não avistei nenhum conceito, e isto mesmo é digno de picas para quem quiser, em detrimento da utilidade destas para cada sortudo - pois que se as têm ou não etc.
de superação ocorre que andei muito de pés e de barco. tão lindo o mar lá fora que me inspirou, bem como música e sudoku com aqueles quadrados magníficos, alguns já vem com o número dentro e tudo.
e nuvens, não é mesmo?
também o pássaro gigante que dança no céu de acordo com o ship instalado no cérebro de cada passarinho.
tudo coisa muito bonita e emocionante de farfalhar gargalhadas de contemplação.

Wednesday, December 13, 2006

a baleia contemporânea


tem baleia no festival do contemporâneo
tem baleia em videopoesia
(também estará a venda no local uma miniantologia contendo lascas de baleia)

Festival do Contemporâneo
Espaço Oi Futuro: Rua Dois de Dezembro, 63, Flamengo, Rio de Janeiro/RJ
Abertura: 18 de dezembro - a partir das 19h30min
19 a 22 de dezembro - das 11h às 20h

Wednesday, November 08, 2006

nem tudo que pensa existe

veja bem, meu caro chapinha.
mas veja bem com seus olhos de bolota.
não vá já, em propósito, se utilizando destes outros
- esbugalhados galos internos (circunvoluntários) -
que quase que, fora de propósito, estão a lhe causar o mal-do-rombo-craniano-mais-que-perfeito quando, nadando normalmente, trazem à superfície imagens indiscriminadas - qualquer que seja o estágio do seu intestino-inventivo-animal.

sim. àquela gosma insone que acordou após a cagada-invenção-desorientada da bactéria-número-um do nosso cometa-planeta, cabe o distintivo de xerife e o retrato.

pois bem. não vá achando que porque maçã tem gosto de uva, abóbora é quase um caqui e melão é um pepino doce que irá, mais que de repente, ouvir um som que não foi propagado ou sentir cutuco sem que tenha havido deslocamento de massa de ar.
porque filosofia é sensacional.
e major thom yorke vive dizendo:
just 'cause you feel it, doesn't mean it's there.

Tuesday, October 10, 2006

odisséia pré-concebida

tentei simular um passadiço numa pistola de papel no sentido de obter poder de decisão em cima daquilo que ainda não havia completado nenhuma transgressão físico-química para surgir do nada

alterei minha percepção mal-interpretada para aparecer correndo por cima de um desfiladeiro sem sequer antes ter tomado impulso

carreguei uma porção de talco desinfetado aparado por nenhum recipiente com embocadura senão a de 360 graus

coloquei em formaldeído algo tão vivo que no exato momento do escalde apresentou-se em completa aurora boreal em pleno hemisfério errado

fui e voltei 365 vezes ao ano num mesmo trecho paginado pra fazer sentido e encontrei tamanha incompreensão da minha própria parte de memória

mas como já dizia o grande filósofo major tom: planet earth is blue and there's nothing i can do